Havendo voto, vai a voto, diz Temer sobre reforma da Previdência


O presidente Michel Temer repetiu que só colocará em votação a proposta de reforma da Previdência se houver segurança de aprovação. “Havendo voto, vai a voto”, disse. A declaração foi dada após almoço com o presidente da Bolívia, Evo Morales.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reforçou o entendimento do presidente sobre o calendário de votação da reforma, que não será pautada enquanto as condições não forem favoráveis ao governo. “Vamos fazer conta primeiro para ver se a gente tem número. A gente não vai a voto sem número.”

Como se trata de alteração constitucional, o governo precisa de 308 votos para aprovar a proposta em dois turnos.

Temer se disse otimista por uma combinação de fatores, como o apoio da imprensa, o aumento da compreensão do que é a proposta, o entendimento pela sociedade de que a mudança é “indispensável” e a maior sensibilização de deputados e senadores. “Vocês batem em mim, mas não na reforma.”

O presidente atribuiu essa melhora às reuniões do fim de semana. Entretanto, não se arriscou a mensurar as chances de aprovação da reforma numa escala de zero a 10.

O presidente afirmou que conversou com o presidente do PSDB, Alberto Goldman, e ouviu dele que “muito possivelmente” trabalharia para que o partido feche questão em torno da reforma. Maia admitiu que, se a bancada do PSDB fechar questão, outros também devem seguir o exemplo dos tucanos.