Isaltino: Sérgio Moro não tem condição moral de ocupar o ministério


Em discurso no Pequeno Expediente desta segunda (5), o deputado Isaltino Nascimento (PSB) criticou a decisão do juiz federal Sérgio Moro de aceitar o convite do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para assumir o comando Ministério da Justiça. Para o parlamentar, líder do Governo na Assembleia, a atitude coloca em dúvida a imparcialidade do magistrado na condução dos processos referentes ao ex-presidente Lula na Operação Lava Jato.

“A máscara de Moro caiu. Viemos à tribuna mostrar que a visão imparcial do juiz não existe e que ele assumirá um ministério de um governo reacionário e atrasado”, afirmou Nascimento. Na avaliação do socialista, a entrega do comando do ministério a Sérgio Moro e a promessa de uma vaga futura no Supremo Tribunal Federal (STF) representam “um prêmio para aquele que foi o algoz do candidato (Lula) que disputaria os votos com o presidente eleito”.

“Sérgio Moro não tem condição moral de ocupar o ministério”, acrescentou o governista, que qualificou como “questionáveis” e “dúbias” outras posições do magistrado. Nascimento citou a divulgação de uma escuta telefônica não autorizada da ex-presidente Dilma Rousseff, a condenação de Lula no processo referente ao triplex do Guarujá (SP) e a exposição de parte da delação premiada do ex-ministro Antônio Palocci às vésperas do primeiro turno das eleições presidenciais deste ano.

O discurso de Isaltino Nascimento motivou reações contrárias de pessoas que acompanhavam, das galerias, a Reunião Plenária. “Nós sabemos viver com indivíduos e segmentos de posicionamentos contrários. Mas precisamos estar atentos porque vivemos em um tempo em que pessoas tentam impor seu ponto de vista e calar a voz daqueles que se contrapõem”, argumentou.