Oposição a Duque (PT), do silêncio ao tom otimista; “os nossos nomes estão na rua”


 As movimentações políticas para a sucessão municipal de 2020 em Serra Talhada já começaram há muito tempo, haja vista a correria de membros da base aliada do Governo Luciano Duque, que tentam emplacar seus nomes para sucedê-lo na Prefeitura da maior cidade do Sertão do Pajeú. A situação se movimenta, desde empresários ligados a Duque até nomes de seu próprio secretariado.

No entanto, o que chama à atenção é o silêncio do Bloco de Oposição, liderado pelo Deputado Federal Sebastião Oliveira. Na eleição do novo Presidente da Câmara Municipal de vereadores da Cidade, onde nem sequer um nome, a ala oposicionista lançou, dando mais uma vez o controle da Casa de Leis do Município aos governistas.

Do mesmo lado, mas distante, Sebastião também não se pronuncia sobre 2020 aos meios de comunicação locais, o que demonstra que com nenhuma reunião oficializada ou agendada para discutir quem vai bater de frente com o grupo de Luciano Duque, os opositores mantém uma agenda única de sobrevivência política na Terra de Lampião, onde Duque reina absoluto mexendo num tabuleiro de xadrez onde as especulações dão margem para a volta de "antigos Reis".

Ouvido por Júnior Campos, Waldemar de Oliveira, suplente de Humberto Costa no Senado Federal, assegurou que o processo de discussão em torno das eleições municipais de 2020, está “tudo encaminhando”.

Quando questionado se já teria conversado com Sebastião Oliveira (PR), sobre 2020, Waldemar disse que o irmão, está bem e conversa com ele sempre. Postulante ao cargo de prefeito de Serra Talhada, Waldemar – Dema - ainda listou os assuntou que estão na mesa do deputado.

“Estamos discutindo internamente os avanços para Serra Talhada, como a viabilização do aeroporto, novas estradas, aperfeiçoamento da agricultura familiar, sistema de abastecimento de água, o Hospital Regional, a sucessão municipal, quem será nosso candidato, enfim, estamos bem e otimistas com esse ano”, garantiu.

Outro integrante do bloco de oposição, em reserva ao blog, em um tom mais crítico aos movimentos do bloco situação, avalia que haverá uma “trincadura” entre os que estão na fila, pela cadeira de Duque.

Na visão do aliado de Sebastião Oliveira (PR), não há a necessidade de oficializar uma pré-candidatura agora.

“Eu acho, Júnior, que o momento não é agora...para não causar um constrangimento  no grupo de oposição é melhor não lançar ninguém...agora, os nossos nomes estão na rua”. Disse o republicano, adiantando que Antônio de Antenor, continuará  como o líder da oposição na Câmara de Vereadores de Serra Talhada.