Dois anos depois, 62% das mortes contabilizadas em PE não foram solucionadas


Dois anos depois das mortes violentas contabilizadas pelo Monitor da Violência, entre 21 e 27 de agosto de 2017, a Polícia Civil solucionou menos da metade dos casos no estado. Ao todo, 62% das ocorrências ainda não saíram da instância de investigação. Em Pernambuco, 39 inquéritos foram concluídos, mas 66 seguem em aberto, dos 106 casos registrados.

A falta de resposta aos assassinatos ocorridos no período registrado pelo Monitor da Violência se repete na identificação dos autores dos crimes. Ao todo, 58 casos seguem sem ter autores identificados, enquanto 43 deles tiveram a autoria encontrada. O número de mortes sem autoria representa mais da metade do total, chegando a 54,7%.

Os números são ainda mais discrepantes quando se trata da quantidade de prisões realizadas pelas forças de segurança. Dos 106 casos, a informação é de que em 19 ocorrências algum suspeito foi preso. Esse número, de 81 casos sem prisões, representa 76,4% do total. Em três casos, não houve informações sobre detenções e outros três se tratam de suicídios.