• Um dos maiores parques de energia solar será instalado no Sertão em Flores

    O Prefeito de Flores, Marconi Santana recebeu Josué Ferreira, representante da Empresa Kroma Energia, que esteve na sede do Governo Municipal, para anunciar o início dos trabalhos de construção de parques solares para a entrega de 52 megawatts (MW) no município, com investimentos da ordem de R$ 200 milhões.

    Vão ser utilizados até 60% de conteúdo local na montagem das usinas, através da vinda para o município de três fabricantes estrangeiros de inversores e células fotovoltaicas.

     

    “É nossa Flores ingressando no caminho do crescimento e desenvolvimento, mostrando a sua capacidade de atrair investidores e de gerar emprego e renda para nossa população”, comemorou Marconi Santana, completando:

     

    “Vale lembrar que criamos o ‘Programa Flores Solar’, para estabelecer incentivos ao desenvolvimento tecnológico, ao uso e a instalação de sistemas de conversão e/ou aproveitamento de energia solar no município de Flores, através da LEI – 1.123/2018”, disse.

     

    Os parques solares têm a capacidade de produzir 80.000 Mwh por ano, volume suficiente para abastecer 60 mil residências. A ideia é utilizar a mão de obra local nas obras civis e na instalação dos equipamentos. 


    A expectativa é de geração de 350 empregos diretos e aproximadamente de 750 empregos indiretos, na fase de implantação do empreendimento. 


    O cronograma de instalação das plantas solares é de 12 meses e de um ano e meio para a montagem dos equipamentos. 

  • Primeiro FPM deste ano com redu??o de 74% em compara??o com o montante transferido em 2019

    Os 5.568 Entes municipais receberão o primeiro repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de 2020 nesta sexta-feira, 10 de janeiro. Levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM), a partir de dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), indica repasse líquido de R$ 2,8 bilhões e redução 10,74% em comparação com o montante transferido em 2019. Ao aplicar a inflação, o impacto negativo chega a 13,16%.

    A primeira parcela do FPM de janeiro é parte da arrecadação dos Impostos de Renda e Sobre Produtos Industrializados (IR e IPI) obtida entre os dias 20 e 30 de dezembro.

    A previsão do valor feita pela CNM considera a retenção constitucional para Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Sem esse desconto, o Fundo cresce para R$ 3,5 bilhões.

    De acordo com os dados do Estudos Técnicos da CNM, a redução de 10,74% foi constatada a partir dos montantes brutos, em comparação com os R$ 3,9 bilhões repassados em janeiro de 2019. Diante da retração do Fundo, já no primeiro repasse, o presidente Glademir Aroldi reforça a necessidade de o Congresso Nacional concluir a votação da Emenda à Constituição (PEC) 391/2017, que aumenta em mais 1% o FPM, para garantir transferência adicional em setembro.

     

  • Hyundai apresenta carro voador anuncia parceria com Uber

    A Hyundai apresentou seu primeiro "carro voador", o S-a1. A ideia do veículo, que pode transportar até quatro passageiros, além de um piloto, foi apresentada na Consumers Electronics Show (CES), a maior feira de tecnologia do mundo, realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, nessa segunda-feira (6).

    No evento, a Hyundai armou que o projeto terá uma nova maneira de conectar os "carros voadores" às cidades, os chamados "hubs". Em um vídeo apresentado na CES, a empresa mostrou um lugar semelhante a um heliponto, onde, ao pousar, o "carro voador" se conecta com carros autônomos, ou seja, sem motoristas.

    O S-a1 foi projetado para ser 100% elétrico e atingir uma velocidade de cruzeiro de até 290 km/h, uma altitude de cruzeiro de 300 a 600 metros acima do solo e para viagens de até 100 km. Além disso, a expectativa da Hyundai é que o veículo seja pilotado inicialmente, mas com o tempo ele se torne autônomo.

  • Municípios: Bolsonaro encerra 2019 liberando recursos do pré-sal

    O Ministério da Fazenda depositou, na virada do ano, dia 31, na conta dos Estados e Municípios, os recursos do acordo do pré-sal, fechado no ano passado, com o aval do Congresso Nacional.

    No caso de Pernambuco, já estão na conta do Governo do Estado e das prefeituras a soma de R$ 508 milhões. Os recursos foram repassados com o aval do ministro da Economia, Paulo Guedes.

    Destes valores, as prefeituras do Estado vão dividir R$ 261 milhões, enquanto o governo do Estado recebeu outros R$ 247 milhões.

     

    Cidades polo no Pajeú, como Serra Talhada recebeu o valor de, R$ 2,242,650.95. Os valores foram creditados no último dia 31 de dezembro, de acordo com o Ministério da Fazenda.

    • Afogados da Ingazeira R$ 1,281,514.83
    • Brejinho R$ 480,568.06
    • Calumbi R$ 480,568.06
    • Carnaíba R$ 961.136,12
    • Flores   R$ 961.136,12
    • Iguaracy R$ 640,757.42
    • Ingazeira R$ 480,568.06
    • Itapetim R$ 800,946.77
    • Quixaba R$ 480,568.06
    • Santa Cruz R$ 800,946.77
    • Santa Terezinha R$ 640,757.42
    • São José do Egito R$ 1,281,514.83
    • Serra Talhada R$ 2,242,650.95
    • Solidão R$ 480,568.06
    • Tabira R$ 1,121,325.48
    • Tiunfo R$ 800,946.77
    • Tuparetama R$ 480,568.06

     

  • Cesta básica sobe quase 8% em Pernambuco

    Uma pesquisa realizada pelo Procon-PE diz que comprar alimentos esteve mais caro para o pernambucano, na virada do ano. Na Região Metropolitana do Recife (RMR), a cesta passou de R$ 371,05, para R$ 400,43, um aumento de 7,92%, comparado ao mês de novembro, um impacto de 40,12% no salário mínimo.

    Dos 27 produtos analisados apenas a margarina manteve o valor. Todos os outros tiveram aumento. De acordo com os scais do Proocon-PE, durante a pesquisa, os comerciantes alegaram que o aumento nos alimentos foi por conta do elevado valor do frete, que também subiu de preço por conta dos três reajustes sofrido pelo Diesel, em apenas um mês.

    “Um efeito cascata que parou do bolso do consumidor, que ca na ponta dessa cadeia de alimentos”. Os produtos que mais tiveram aumento foram carne de segunda (37,43%); a cebola (33,78%) e a charque de segunda (33,14%).

    A entidade sugeriu manter sempre a pesquisa. “Os valores podem subir ainda mais de um estabelecimento pra o outro”. O quilo da cebola, na RMR, pode ser encontrado por R$ 4,75 e por R$ 1,48, uma diferença de 220.95%. Já a carne de segunda, de um supermercado pra outro sobe 119,63%.

    O preço do quilo varia entre R$ 32,90 e R$ 14,98. Foram feitas pesquisa na RMR, pesquisas isoladas nos municípios de Caruaru, Goiana e Vitória de Santo Antão. O órgão passou por 54 estabelecimentos, entre os dias 16 e 20 de dezembro

  • Luciano Duque: Estamos concedendo um reajuste do salário mínimo acima do valor nacional

    A Prefeitura de Serra Talhada, por meio da Secretaria Municipal de Administração e Procuradoria Geral, encaminhará à Câmara Municipal de Vereadores (CMST), o Projeto de Lei que reajusta o salário mínimo municipal de R$ 998 para R$1.060, em 2020. O anúncio foi feito pelo Governo Municipal nesta quinta-feira (02.01).

    O valor é acima do reajuste nacional definido na última terça-feira (31), que elevou o mínimo de R$ 998 para R$ 1.039 em todo o país, conforme estabelecido em medida provisória assinada pelo Presidente da República. O reajuste será de 62 reais no município.

     

    "Estamos concedendo um reajuste acima do valor nacional para os nossos servidores municipais, que trabalham e contribuem para o crescimento de nossa cidade. Enquanto o governo federal anunciou um aumento de quarenta e um reais, nós estamos concedendo sessenta e dois reais, e isso é fruto de muito esforço do governo, e principalmente resultado da valorização do nosso servidor", comentou o Prefeito Luciano Duque.

  • IPVA fica 3,47% mais barato em 2020 no estado; veja datas e valores

     
    Em 2020, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) será em média 3,47% mais barato para os motoristas de Pernambuco, de acordo com a Secretaria da Fazenda. O pagamento pode ser feito em até três parcelas. Os contribuintes que optarem pelo pagamento em cota única terão desconto de 7%.
     
     

    O calendário do vencimento do IPVA começa em fevereiro de 2020, tanto para cota única, quanto para pagamento parcelado (veja tabela mais abaixo). As datas variam de acordo com o número final da placa dos veículos. A tabela com os valores do imposto, de acordo com modelo e ano do veículo, foi divulgada no Diário Oficial do estado. 

  • Prefeitura de Serra Talhada antecipa segunda parcela do décimo terceiro dos servidores

    A Prefeitura de Serra Talhada efetua nesta terça-feira (17) o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário do funcionalismo público municipal. A primeira parte dos benefícios foi paga de acordo com o mês de aniversário de cada servidor.

    Serão contemplados aproximadamente 2.054 servidores efetivos e comissionados, com uma estimativa de R$1.900.0000 (um milhão e novecentos mil) injetados na economia do município, de acordo com a Secretaria Municipal de Finanças.

    "Com muita alegria estamos efetuando antecipadamente a segunda parcela do décimo terceiro dos servidores, honrando o compromisso que temos com o servidor que tanto nos ajuda a conduzir o município e construir uma cidade melhor", comentou o Prefeito Luciano Duque.

  • Congresso pode aprovar 1% do FPM e ISS; CNM pede apoio dos prefeitos

     
    Para garantir que mais um acréscimo de 1% no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) comece a valer de forma escalonada a partir do ano que vem, o movimento municipalista conta com esforço concentrado de gestores nessa última semana de atividades antes do recesso parlamentar. A luta também é para que o projeto que garante a redistribuição do Imposto Sobre Serviços (ISS) tenha sua votação concluída na Câmara dos Deputados.
     
    A pauta de votações na próxima semana será disputada, mas a expectativa da entidade – que tem recebido sinalização favorável das lideranças e do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – é que as duas propostas podem ter sua tramitação concluída. Para reforçar, os municipalistas devem entrar em contato com os deputados da base, principalmente os líderes.
     
    ISS
     
    O Projeto de Lei Complementar 461/2017 é resultado de uma construção conjunta com a CNM, que define quem são os tomadores dos serviços para recolhimento do ISS de maneira simples para os contribuintes e fiscalizável para os Municípios. A medida resolve questionamentos junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e esclarece onde deve ser pago o ISS nos casos de planos de saúde, cartões, fundos, clubes de investimento e carteira administrada, consórcios e arrendamento mercantil, o chamado leasing.
     
    Estimativas apontam uma redistribuição de R$ 6 bilhões entre os Municípios brasileiros caso as novas regras entrem em vigor. Atualmente, cerca de 65% da receita do ISS desses serviços fica concentrada em pouco mais de 30 localidades, onde estão sediadas as empresas prestadoras do serviço e não onde o serviço é prestado. O PLP 461/2017 teve seu texto base aprovado no Plenário da Câmara dia 2 de dezembro, mas ficaram pendentes os destaques. De lá, o texto ainda segue para o Senado. 
     
    1% do FPM

    A segunda matéria que aguarda apreciação dos deputados em sessão plenária é a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 391/2017, que estabelece acréscimo de 1% do FPM para o primeiro decêndio de setembro. A CNM defende que o repasse adicional, semelhante ao que já ocorre em julho e dezembro, descentraliza recursos da União e traz um alívio aos cofres das prefeituras em um mês que, tradicionalmente, tem queda na arrecadação. 

  • Prefeituras receberão repasse da cessão onerosa no dia 30 de dezembro .

    O repasse a Estados e Municípios dos recursos da cessão onerosa – 15% da quantia pertencente à União para cada – será feito em 30 de dezembro, segundo informado à Confederação Nacional de Municípios (CNM) pela Secretaria Especial da Fazenda, vinculada ao Ministério da Economia.

    Após o leilão do excedente, em novembro, o governo federal arrecadou R$ 69,96 bilhões – com o desconto do valor devido à Petrobras de R$ 34,1 bilhões, os Entes estaduais e municipais vão receber, cada, R$ 5,31 bilhões.

    Ainda segundo à Secretaria, a União só receberá os recursos do leilão em 27 de dezembro, conforme foi definido contratualmente. Como a data é uma sexta-feira, a transferência aos Estados e Municípios ocorrerá na segunda-feira, ou seja, 30 de dezembro.

    A Agência Nacional do Petróleo (ANP) é responsável pelo processo, que será acompanhado pelo Ministério hora a hora.

  • Ministério da Cidadania vai repassar R$ 700 milhões para a assistência social

    O Ministério da Cidadania informou nesta quarta-feira, 13 de novembro, que serão repassados, até o final deste mês, mais de R$ 700 milhões para a Assistência Social. Desse montante, os Municípios irão receber R$ 200 milhões já na próxima semana.

    O anúncio atende ao pleito da Confederação Nacional de Municípios (CNM) que liderada pelo presidente da entidade, Glademir Aroldi, esteve reunida em diversas vezes com o ministro Osmar Terra e com outros representantes da Pasta.

    Além disso, o descontingenciamento feito pelo Ministério da Economia, após leilão do pré-sal que originou recursos com o bônus de assinatura da cessão onerosa, garante cerca de R$ 500 milhões para o pagamento de serviços do Sistema Único de Assistência Social (Suas). Os repasses do Ministério da Cidadania atendem à Portaria 36/2014, do Conselho Nacional de Assistência Social, que determina prioridade para Municípios que estejam com menor saldo em conta.

    Também tramita um projeto de lei, no Congresso Nacional, que garantiria R$ 750 milhões ao setor ainda para 2019. Além do anúncio e da previsão de mais verba para este ano, o Ministério da Cidadania ainda colocou em pauta o incremento de novos valores para o orçamento de 2020.

  • Governo propõe a extinção de cidades com menos de 5 mil pessoas

    Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, o Congresso deve definir as regras para que uma cidade exista (Valter Campanato/Agência Brasil)

    O Pacto Federativo, que foi entregue nesta terça-feira, 5, pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prevê a redução do número de municípios com a restrição para a criação de novas cidades e a incorporação pelo município vizinho de cidades com menos de 5.000 habitantes e com arrecadação própria menor que 10% de sua receita total.

    O governo não informou, até o momento, quantas localidades seriam atingidas pela nova regra. Segundo o secretário de Fazenda do ministério da Economia, Waldery Rodrigues Junior, 1.254 cidades tem o potencial de serem atingidas. A extinção dos municípios que tivessem dentro desses requisitos aconteceria a partir de 2026, caso a PEC do Pacto Federativo seja aprovada.
     
    O Brasil tem 1.253 municípios com menos de 5.000 habitantes, segundo a última estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada em agosto. O número equivale a 22,5% do total de 5.570 municípios brasileiros. Desses, três deles têm menos de 1.000 habitantes, de acordo com a última estimativa, de julho de 2019: Serra da Saudade (MG), com 781 pessoas; a paulista Borá, com 837; e Araguainha (MT), com 935.
     
    Questionado sobre a medida ser um dos pontos para desidratação do pacto federativo, devido à impopularidade do tema nas vésperas das eleições municipais de 2020, o ministro Paulo Guedes afirmou que é um tema que o Congresso terá que discutir. “Quem é que tem que resolver se município é com 5 mil, 10 mil pessoas? Sou eu ou o Congresso? Não sabemos qual é o tamanho ideal então é um tema legítimo para o Congresso discutir”, afirmou.

  • Estados que não repassarem ICMS e IPVA dos Municípios terão FPE retido

     
    Para garantir que o Ente municipal não seja prejudicado, os senadores aprovaram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 10/2019 na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) nesta quarta-feira, 30 de outubro. A conquista ocorre no mesmo dia de outro avanço importante no colegiado: a aprovação do projeto sobre construções nas faixas não edificáveis de rodovias.

    Entenda

    Pela PEC, Estados que deixarem de repassar a seus Municípios os 25% do ICMS e 50% do IPVA poderão ter cotas do Fundo de Participação dos Estados (FPE) retidas. A CNM comemora e destaca que os atrasos, além de violarem expressamente a repartição de receitas oriunda da arrecadação de impostos determinada na Constituição, prejudicam, de forma grave, a manutenção do funcionamento de toda máquina municipal, bem como os investimentos em saúde, educação e outras áreas.

    Lembrando que os Municípios mineiros, por exemplo, não receberam, entre 2017 e 2018, um montante estimado em mais de R$ 200 milhões, a Confederação enviou ofício aos gabinetes pedindo a aprovação da PEC. Além da retenção do FPE, a matéria estabelece que a União deposite os valores que deixaram de ser repassados às prefeituras. A comprovação do atraso deverá ocorrer por meio de certidão expedida pelo Tribunal de Contas do Estado.
     

  • Petrobras sobe gasolina em 3,5% e diesel, em 4,2%

    Dois dias após a disparada no preço do petróleo provocada por ataques a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, a Petrobras anunciou a seus clientes nesta quarta (18) reajustes no preço da gasolina e do diesel.

    O preço de venda da gasolina nas refinarias da estatal vai subir 3,5%. Já o preço do diesel terá alta de 4,2%. Os novos valores começam a vigorar nesta quinta (19).
     
    O repasse às bombas depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras. O valor cobrado pela Petrobras na venda de gasolina equivale a cerca de 30% do preço final. No caso do diesel, o valor de venda da empresa equivale a 50% do preço de bomba.

  • Caixa inicia pagamento de FGTS; saiba como sacar

    Os primeiros a receber até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) terão os valores depositados amanhã (13). A Caixa Econômica Federal iniciou o depósito automático para quem tem conta poupança no banco, seguindo calendário de mês de nascimento.

    Quem nasceu em janeiro, fevereiro, março e abril recebe primeiro. Os próximos a ter acesso ao saque serão os nascidos em maio, junho, julho e agosto, no dia 27 deste mês. Em seguida, no dia 9 de outubro, recebem os nascidos em setembro, outubro, novembro e dezembro.
     
    Segundo a Caixa, cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão o crédito automático na conta poupança. Os clientes do banco que não quiserem retirar o dinheiro têm até 30 de abril de 2020 para informar a decisão em um dos canais divulgados pela Caixa: site, Internet Banking ou aplicativo no celular.
     
    Para aqueles que não têm conta poupança na Caixa, aberta até o dia 24 de julho de 2019, o calendário começa no dia 18 de outubro, para os nascidos em janeiro, e vai até 6 de março de 2020, para os nascidos em dezembro.
     
     
     
     
     

  • Governo propõe salário mínimo de R$ 1.039,00 para o ano que vem

     
     Em abril, quando enviou o projeto de LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), a equipe do presidente Jair Bolsonaro estimava um salário mínimo de R$ 1.040,00. A redução de R$ 1 se deve a uma expectativa menor de inflação.
     
    Para 2020, o governo espera uma inflação de 4,02%, medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). No projeto de LDO, a estimativa era de 4,19%.

    Isso provocou a ligeira revisão na estimativa de salário mínimo. Ainda assim, é a primeira vez que o piso salarial ultrapassa a barreira de R$ 1.000. Atualmente, o salário mínimo é de R$ 998.

    Bolsonaro prevê um salário mínimo corrigido em 2020 apenas pela inflação. Na prática, o governo interrompe uma política pública que permitiu 25 anos de ganhos reais aos trabalhadores. Ou seja, com aumentos que consideravam a inflação mais o crescimento da economia.

  • Saques de R$ 500 do FGTS começam em setembro; confira calendário

    Os saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vão começar no dia 13 de setembro. Essa é a data que trabalhadores nascidos entre janeiro e fevereiro, que poderão pegar uma parcela de até 500 reais de suas contas ativas e inativas. O calendário foi liberado nesta segunda-feira, 5.

    A medida faz parte da flexibilização das regras do Fundo de Garantia, anunciado pelo governo na semana passada. Os primeiros a receber são os trabalhadores que têm conta poupança no banco.

    O calendário do saque imediato, como a modalidade é chamada pelo Ministério da Economia e Caixa Econômica Federal, segue até março do ano que vem. Para os trabalhadores que não tem poupança na Caixa, o saque começa em 18 de outubro para os nascidos em janeiro. O trabalhador não precisa sacar o dinheiro imediatamente no momento da liberação. O dinheiro estará disponível para movimentação até o dia 31 de março de 2020.

    Os saques irão liberar uma cota de até 500 reais de contas ativas — de contratos de trabalho que estão vigentes — e  inativas para os trabalhadores. Caso a pessoa tenha menos que esse valor na conta, pode sacar integralmente. O limite é por conta. Ou seja, se o trabalhador tiver duas contas,  por exemplo, poderá sacar até 1.000 reais, sendo 500 reais de cada.

  • Veja as mudanças que a Câmara já aprovou na aposentadoria

    ENTENDA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

    Regral geral

    Pela regra geral, a idade mínima permanece 65 anos para homens e sobe de 60 para 62 anos para mulheres. O tempo mínimo de contribuição será de 15 anos para elas, e 20 anos, para eles. As regras valem para novos contribuintes. Os atuais contarão com regras de transição. Ao fim das regras de transição, a aposentadoria por tempo de contribuição será extinta. 

    *Cálculo do benefício:

    O tempo mínimo de contribuição garante aposentadoria igual a 60% da média de todos os salário. Após esse tempo de contribuição, o benefício aumenta 2% ao ano. Para alcançar 100%, é necessário 40 anos de contribuição para homens e 35 para mulheres.

    Servidores federais

    A idade mínima aumentou cinco anos para homens e sete para mulheres, passando para 65 anos e 62, respectivamente. O tempo de contribuição caiu para 25 anos em ambos os sexos, com a exigência de 10 no serviço público e 5 no cargo. 

    Professores

    No setor privado, que não tinha idade mínima, precisarão de ter 60 anos, no caso dos homens, e 57, no caso das mulheres, para se aposentar. O tempo de contribuição passa a ser de 25 anos para homens e mulheres. Antes, era de 30 anos para homens. Na União, as regras são as mesmas, mas há a exigência de ao menos 10 anos se serviço público e 5 no cargo. 

    Aposentadoria rural

    Apesar da intenção do governo de aumentar a idade mínima e tempo de contribuição, a aposentadoria rural será mantida em 55 anos, para mulher, e 60 anos, para homens. O tempo mínimo de atividade é de 15 anos.

    *Policiais civis federais e agentes penitenciários e socioeducativos

    Depois da aprovação de um destaque do Podemos, a idade mínima de aposentadoria será de 52 anos para mulheres e 53 anos para homens, condicionada ao cumprimento da regra de pedágio de 100% do tempo de contribuição. Caso contrário, a idade é de 55 anos ambos os sexos e tempo de contribuição de 30 anos para homem e 25 para mulher, também para ambos. Além disso, é necessário trabalhar na atividade há 25 anos. A remuneração seguirá a regra geral de 60% da salário com 20 anos de contribuição. A pensão será integral em caso de morte durante o trabalho. Eles contarão com regra de transição especial, que garante remuneração integral.

    Pensão por morte Em vez de receber 100% do benefício, a cota familiar será de 50% do valor, acrescida de 10% para cada dependente durante o período que ele se caracterizar como beneficiado. A pensão poderá ser de um valor a partir de R$ 497,04, dependendo da renda dos dependentes.

    Políticos 

    Os atuais aposentados permanecem cnas regras antidas. Os parlamentares federais cumprirão pedágio de 30% do tempo de contribuição que faltaria para se aposentar de acordo com as regras antidas. A idade sobe para 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

    Servidores de estados e municípios

    Foram retirados do texto da reforma. Com isso, a mudança ficará condicionada à projetos nas assembleias legislativas e câmara municipais. Militares O texto em tramitação não inclui a aposentadoria dos militares, que consta em outro projeto de lei, entregue pelo governo em março.


    REGRAS DE TRANSIÇÃO

    Quem já contribui para o INSS vai poder optar uma das regras de transição:

    Para a aposentadoria por tempo de contribuição (35 anos homens e 30 mulheres)

    Idade mínima: assim que a reforma entrar em vigor, homens poderão se aposentar com 61 anos e mulheres com 56 anos, considerando o tempo de contribuição de 30 anos para mulheres e 35 anos para homens. A idade mínima aumentará gradualmente até que se atinja os 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. Para professores, a idade e tempo de contribuição são reduzidos em cinco anos e o acréscimo vai até 57 anos para mulheres e 60 anos para homens.

    Pedágio 50%: quem poderia se aposentar por tempo de contribuição em até dois anos terá que cumprir 50% a mais do que resta para atingir o mínima (35 anos para homens e 30 para mulheres). Quem se aposentaria em 2021, por exemplo, terá que trabalhar um ano a mais.

    Pedágio 100%: quem quiser se aposentar por tempo de contribuição (35 anos para homens e 30 para mulheres), pode cumprir o dobro do tempo restante, contando a partir da data da promulgação da reforma. A remuneração será 100% da média dos salários.

    Pontuação: leva em conta a soma da idade do segurado e o tempo de contribuição. Será necessário atingir, inicialmente, 86 pontos para mulheres e 96 anos para homens. Haverá aumento gradual de um ponto a cada ano até 100 pontos (mulheres) e 105 (homens). Nesse caso, é exigido tempo de contribuição de 30 anos para mulheres e 35 para homens.

    Para atual aposentadoria por idade

    *Quem quer usar o critério de idade, terá que ter pelo menos 15 anos de contribuição. Aos poucos, esse tempo vai aumentar no caso dos homens, até atingir 15 anos. Homens terão que ter 65 anos e mulheres 60 anos, que aumentará gradativamente até atingir 62.

    *Regras modificadas por destaques de deputados. Este texto está sendo atualizado de acordo com a votação dos destaques pelo Plenário da Câmara dos Deputados nesta sexta-feira, 12.

  • Durante 20ª Exposerra, Shopping Serra Talhada anuncia data de inauguração

    Foto: Visita técnica da comitiva  do Sistema Fecomércio as instalações do Shopping Serra Talhada/Thiago Edições

    No período em que acontece a 20ª Exposerra, várias empresas aproveitaram para anunciar novidades e divulgar lançamentos de produtos e serviços. Um dos parceiros da Feira, o Shopping Serra Talhada, utilizou o evento para estreitar o relacionamento com os empreendedores que já garantiram suas lojas no centro comercial do complexo, bem como atrair novos investidores.

    Com 80% das lojas vendidas, o diretor do Grupo JDS, Murilo Duque, anunciou a data de inauguração de uma das obras mais esperadas da região. De acordo com o empresário, o Shopping Serra Talhada abrirá suas portas no dia 29 de outubro deste ano.

    Para Murilo Duque, Serra Talhada está preparada para receber novos empreendimentos. “A chegada de novos investimentos ao município só vem a somar, uma vez que o mercado tem capacidade de absorver todos esses empreendimentos. Na medida em que a concorrência cresce, a tendência é o consumo também aumentar.”

    Ainda de acordo com o diretor do Grupo responsável pelo Shopping, “O momento que estamos vivendo em Serra Talhada é compatível com o estudo de mercado que fizemos lá atrás, quando decidimos lançar o empreendimento. E o que vemos hoje é um polo comercial consolidado.”

    Sobre a Exposerra, Murilo, que também presidiu a CDL, afirma que o formato atual da Feira confirma o momento econômico do município. “A Exposerra está se reinventando. Atenta às transformações que acontecem na economia. E hoje podemos dizer que na sua 20ª edição está consolidada como uma das grandes feiras de negócios de Pernambuco. Um excelente ambiente para trocas de experiências e perspectivas de novos investimentos.”

  • Desemprego: 13,4 milhões estão procurando vaga e 4,8 milhões desistiram

    Com a inflação controlada, o cenário socioeconômico no Brasil mudou drasticamente em 25 anos, desde a estabilização da moeda. Mas em um país em que 13,4 milhões de pessoas estão procurando emprego e outras 4,8 milhões já desistiram de conseguir uma vaga, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é difícil que alguém considere o problema do mercado de trabalho resolvido.

     
    Dos desafios que ainda precisam ser superados, parte existe desde antes da década de 1990. Em 1994, com o Plano Real, a prioridade era domar a inflação. Com preços altos e reajustes diários, os salários rendiam cada vez menos, e a situação dos trabalhadores era precária e instável, principalmente a dos mais pobres. “Inflação muito alta significa perda real de salário ao longo do tempo. Todo mês tinha reajuste pela inflação do mês anterior e, como ela acelerava todos os dias, o poder de compra diminuía muito de um mês para o outro”, explica o economista-chefe da Genial Investimentos, José Márcio Camargo.