• Márcia fala de encontro com Lula e desafia Carlos apresentar modelo de gestão melhor do que o do PT

    O sentimento é de puro amor, admiração e gratidão ao Partido dos Trabalhadores – PT. É desta forma que Márcia Conrado, Secretária de Saúde da Prefeitura de Serra Talhada justifica seu ingresso na legenda, que tem como estrela maior, o ex-presidente Lula - que inclusive, mandou uma mensagem no formato de vídeo, saudando a pré-candidata à prefeita da Capital do Xaxado, no dia em que assinou a ficha de filiação da legenda.

    “Eu tive uma conversa prévia com o presidente Lula e eu não me via em outro partido ao não ser o PT, que tem as mesmas ideologias que transformou Serra Talhada”; revelou Conrado em entrevista a Júnior Campos.   

    Enquanto defendia o modelo de administração de Luciano Duque, que segundo Márcia segue os mesmos padrões impressos por Lula: “de desenvolvimento, progresso e de levar ações para os que mais precisam”; Márcia foi provocada a expor sua opinião sobre o registro ou não da candidatura do ex-prefeito, Carlos Evandro.

    “Eu não estou preocupada com isso não! Estou preocupada em continuar construindo o que temos construído e de andar no caminho certo e assim a gente vai seguindo, não olhando para oposição”, refutou.

    Quanto as declarações de Carlos de que está pronto para o debate e de que não dará mais respostas as provocações de Luciano Duque, Conrado minimizou:  

    “Campanha é sempre um grande desafio e vai ganhar que tiver as melhores propostas e ações para entregar a população, e, isso eu tenho certeza”, disse.   

  • PSB filia quatro prefeitos do Sertão de Pernambuco


    Dando prosseguimento ao crescimento partidário, o Partido Socialista Brasileiro de Pernambuco promoveu um grande ato de filiação no Sertão do São Francisco. A atividade, sediada em Petrolina, contou com a presença do governador Paulo Câmara e do presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, na última sexta-feira (14). Quatro prefeitos sertanejos se filiaram ao partido: Josimara Cavalcanti (Dormentes), Humberto Mendes (Santa Maria da Boa Vista), Cleomatson Coelho (Santa Filomena) e Rafael Cavalcanti (Afrânio), além do vice-prefeito de Lagoa Grande, Ítalo Ferreira. No ato, mais de 100 lideranças assinaram ficha de filiação.

    Durante a atividade, o governador Paulo Câmara destacou como as gestões do PSB têm contribuído para as mudanças realizadas em Pernambuco, em áreas importantes como Educação, Segurança e Infraestrutura. Paulo Câmara pontuou aos pré-candidatos que quer continuar com a contribuição deles no próximo ano. “Vamos estar juntos. Quero continuar governador em 2021 com vocês junto com a gente. A unidade é fundamental. O Brasil só vai melhorar se tivermos a capacidade de diálogo. É por isso que temos que trabalhar para minimizar as dificuldades do nosso povo. É isso que vamos continuar a fazer com esse time aqui, que tem o pé no chão e sabe o que tem que ser feito para melhorar a vida do povo mais pobre e é com esse time que vamos continuar em 2021”, afirmou Paulo.

     

  • Lula: O que eu puder fazer para você [Márcia] ser eleita, pode contar comigo

    A presença do ex-presidente Lula no ato de filiação de Márcia Conrado ao Partido dos Trabalhadores – PT, ocorrido ontem, quinta-feira (14), em Serra Talhada foi bastante cogitada nos bastidores da política da Capital do Xaxado, porém a principal estrela da legenda não veio, mas fez um vídeo saudando a nova militante petista. No vídeo gravado ao lado Marília Arraes, Lula deu boas vindas a Conrado e a recomendou que "repita o modelo de gestão de Luciano".

    imagem: Max Rodrigues


  • Ato de filiação: Duque diz que varreu o assistencialismo e Márcia engradece Lula

    Imagens: Bruno Araújo

    Foi na semana do aniversário de 40 anos do Partido dos Trabalhadores – PT, que Márcia Conrado, pré-candidata à prefeita de Serra Talhada resolveu oficializar seu ingresso na legenda que elegeu Luciano Duque prefeito de Serra Talhada, e, o ato marcado por muito simbolismo ocorreu nesta quinta-feira (13), no Bairro da Caxixola foi prestigiado por Doriel Barros – Presidente do PT em Pernambuco, Marília Arraes – deputada federal e Teresa Leitão – deputada estadual.

    Luciano Duque iniciou o discurso saudando, em tom de grito guerra, os correligionários/militantes do PT – “boa noite companheirada” e repetiu: “boa noite companheirada”.

    A saudação do líder político governista foi reverberada por seus apoiadores, que responderam em bom som, o aceno de Duque.

    O prefeito falou dos avanços sociais alcançados em Serra Talhada através do modelo de gestão do PT, classificando de “momentos de glória e no embalar da fala, mandou um recado direto para o ex-prefeito, Carlos Evandro, possível adversário de Márcia Conrado: “com a força do povo varreremos o assistencialismo”, provocou.

    Duque enalteceu a figura do saudoso Manoel Santos, frisando o trabalho voltado para o fortalecimento das políticas sociais, para o trabalhador rural.

    O prefeito deu continuidade ao discurso, reafirmando a capacidade de gestão de Conrado, e, neste momento ergueu a voz: “Você está preparada para governar essa terra, está pronta para dar continuidade a essas conquistas, validou.  

    Em seguida, Conrado que estava sentada ao lado do esposo, Breno, na fileira da frente, em baixo do palanque foi anunciada para o momento de filiação e dando continuidade ao ato, discursou:

    Auxiliada por um monitor, Márcia evitou o improviso e de início justificou a escolha do ingresso ao PT, enalteceu o modelo de gestão de Duque e frisou está no mesmo time do ex-presidente Lula.

     

    “O PT é o melhor partido do Brasil e não tenho a menor dúvida que essa gestão [de Luciano Duque] foi a melhor de todos os tempos. Foi um exemplo, a gestão de Luciano Duque... filiar ao PT é estar ao lado de Luiz Inácio Lula da Silva”, frisou completando:  “tornou nossa terra na terra das oportunidades. Serra não pode recuar, logo agora que encontrou o caminho do desenvolvimento”, destacou em um trecho do discurso.

     

  • Danilo Cabral aciona Conselho de Ética contra ministro da Economia

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, é alvo de uma representação, protocolada pelo deputado federal Danilo Cabral (PSB) no Conselho de Ética da Presidência da República nesta quinta-feira (13). O parlamentar pede punição ao ministro por violar, de maneira patente, os princípios constitucionais da administração pública, as regras de conduta ética exigidas para o cargo que ocupa por declarações feitas nos últimos dias.

    "Em menos de uma semana, o ministro fez duas declarações desastrosas. Primeiro, chamou o conjunto de servidores públicos de "parasita" e, ontem, ao analisar a alta do dólar, atacou as empregadas domésticas", justificou Danilo Cabral. O deputado afirma que a atitude do ministro  refletem as prioridades do alto governo, que "prefere retirar os direitos da população mais vulnerável para atender o andar de cima". "Alguém tem dúvidas ainda que esse governo é elitista, preconceituoso e contra os pobres?", questionou.

    Na sexta-feira passada, em uma palestra na Fundação Getúlio Vargas do Rio, o ministro Paulo Guedes comparou os servidores públicos a parasitas. Ele declarou: "O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação. Tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo. O hospedeiro está morrendo, e o cara virou um parasita. O dinheiro não chega ao povo, e ele quer aumento automático. Não dá mais".

    Ontem (12), Paulo Guedes disse que o dólar mais alto é "bom para todo mundo". Ele afirmou que, com o dólar mais baixo, "todo mundo" estava indo para a Disney, nos Estados Unidos, inclusive "empregada doméstica". E recomendou que os brasileiros viajem pelo Brasil. No mesmo dia, o dólar bateu o quarto recorde de valor nominal consecutivo em relação ao real. A moeda americana encerrou o dia vendida a R$ 4,35, em alta de 0,55%.

    "São atos de desrespeito e preconceituosos contra as sete milhões de trabalhadoras domésticas do País e contra os profissionais das mais diversas áreas que fazem o serviço público, responsáveis pelo atendimento da população brasileira, especialmente daqueles que mais necessitam do Estado. São completamente inaceitáveis, especialmente para quem ocupa um alto cargo na administração pública", critica Danilo Cabral. 

     

  • Carlos evita confronto com Duque e provoca: “quero documentos dizendo que não posso”

    Pré-candidato a prefeito, pelo o bloco da oposição em Serra Talhada, Carlos Evandro, que já comandou o município por dois mandatos   voltou a enfatizar que não dará respostas às formulações de Duque ao seu respeito.  

    O endosso de Evandro veio nesta quarta-feira (12), durante entrevista aos comunicadores Tony Alencar e Orlando Santos, na primeira edição do Programa Radiofônico Sertão Notícias quando foi instigado a responder sobre: “Eu torço que ele [Carlos] seja candidato, sob judice como Geni foi”.

    “Quem vai me julgar é o povo, não é ele não! E eu não vou responder a ele não...ele não é candidato, vou responder é ela [Márcia Conrado]. Vou debater com ela, ou com qualquer outro. O povo não é doido não e besta não!  Eu entrego tudo nas mãos de Deus. Ele é quem define minha vida”, disse Carlos.  

    Ainda durante a entrevista, o adversário governista, e, agora aliado do deputado federal Sebastião Oliveira (PL) defendeu o nome do ex-vereador Leirson Magalhães para vice.

    “Leirson é um nome forte, tem serviço prestado e é um nome forte. Médico com relevantes serviços prestados ao município...faz parte do grupo e é correto, amigo e irmão. Para mim seria uma honra, mas estou aguardando a decisão do grupo”, pontuou. 

    Carlos ainda desafiou seus adversários apresentarem provas, de que não poderá registrar candidatura para disputa do pleito municipal contra Márcia Conrado. 

    “Quero que apresentem documentos dizendo que não posso, estavam doidos que eu não fosse; eu incomodo. Eu não brinco de fazer política de forma amadora”, provocou. 

  • Proposta de Danilo Cabral busca garantir eleição direta pra reitores

    O deputado federal Danilo Cabral (PSB) apresentou duas emendas à medida provisória 914/2019, que dispõe sobre o processo de escolha dos reitores das universidades e institutos federais. As sugestões do parlamentar ao texto asseguram a eleição direta para os cargos de reitor, vice-reitor, diretores de campus e diretores de unidade, além de peso paritário entre professores, estudantes e técnico-administrativos na votação.

    De acordo com Danilo Cabral, a escolha dos gestores deve ser feita de forma democrática. "É preciso fortalecer a autonomia das universidades como mais um passo para a melhoria da educação no país", destacou. A MP, para o deputado, reforça a validade da lista tríplice e enfraquece a escolha direta dos gestores, estabelecendo uma série de condicionantes para essa escolha.

    Ele também aponta como um problema da MP a institucionalização de um peso diferenciado, no processo seletivo, entre professores, estudantes e técnico-administrativos, na proporção de 70%, 15% e 15%, respectivamente. Outro ponto negativo da MP, segundo Danilo Cabral, é o fim da escolha democrática de diretores de campus e de unidades. A ocupação desses cargos passa a ser uma prerrogativa dos reitores. Por isso, ele protocolou uma emenda para garantir que essa seleção seja realizada por eleição direta também.

    Vice-presidente da Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais, Danilo Cabral afirma ser preciso fortalecer a autonomia das universidades como mais um passo para a melhoria da educação no país. "Reconhecemos a necessidade de aperfeiçoar o processo de eleição de dirigentes. As mudanças, no entanto, devem levar em consideração as discussões que ocorrem no Congresso Nacional, não podem ocorrer através de medida provisória", disse.

    Ele é autor de um projeto de lei (PL 3211/2019) que estabelece mecanismos e critérios para o processo de escolha de dirigentes das instituições de ensino superior. A proposta estabelece, entre outras diretrizes, consulta à comunidade escolar da universidade, com votação uninominal. A nomeação deverá ser decorrente desse processo, organizado pelo colegiado máximo da instituição, criado especificamente para este fim, no qual será declarado vencedor o candidato mais votado. A proposta está em análise na Comissão de Educação.

  • Victor diz não ser terceiro, a estratégia da oposição em Triunfo e a agenda de Marconi em Brasília

    PASSANDO DO LIMITE: A Corte de Contas de Pernambuco analisou esta semana os limites de gastos com pessoal da prefeita de Mirandiba, Rose Cléa Máximo de Carvalho Sá, entre o 1º e 3º quadrimestres do exercício financeiro de 2017. De acordo com o voto, foram contabilizados, respectivamente, gastos com pessoal de 75,66%, 69,45% e 76,33% da Receita Corrente Líquida (RCL). O limite é de 54%.  Sendo assim, além de julgar irregular a gestão fiscal do município, o conselheiro aplicou uma multa no valor R$ 54.000,00 a prefeita, correspondente a 30% dos vencimentos da responsável pela irregularidade proporcional ao período de verificação.

    DEPUTADOS: A Frente Parlamentar de Segurança Pública da Alepe irá a todas as regiões do Estado para discutir a situação específica de criminalidade de cada área, bem como ouvir as demandas das autoridades e populações locais.

    No dia 25 desse mesmo mês, o debate ocorrerá em Serra Talhada (Sertão). Palmares (Mata Sul), por sua vez, receberá os deputados da Frente no dia 6 de dezembro. As audiências públicas em outros municípios serão anunciadas posteriormente.

    NADA DE TERCEIRO: O pré-candidato a prefeito de Serra Talhada, Victor Oliveira, tem dito por onde passa, que Carlos Evandro pode até ser candidato, porém já foi condenado pelo Tribunal de Contas de Pernambuco e pela população de Serra Talhada. O neto de Inocêncio Oliveira, também tem sustentado o discurso que não representa uma terceira via e sim, uma nova via. “... esse novo diálogo das novas vias, estão dizendo terceira...aí parece um ranking e não é. É uma nova via que se coloca, e, ela tem crescido bastante”, defendeu.

    ESTICANDO A CORDA: Adversários de João Batista em Triunfo-PE, garantem que a pré-candidatura de Dr. Eduardo Melo é apenas mais uma estratégia articulada por Batista e o ex-prefeito Luciano Bonfim. O bloco de oposição garante que a ideia é manter o nome de Eduardo e lá na frente anunciar a união entre João e o médico.

    EM DEFESA DE JOÃO: Presidentes de doze partidos divulgaram ontem, sábado (08), uma “Nota de Solidariedade” ao governador da Paraíba, João Azevedo. A movimentação veio logo após o protocolo do processo de impeachment, na Assembleia Legislativa da Paraíba – ALPB. A nota foi assinada pelos os representantes do PCdoB, CIDADANIA, DEM, AVANTE, PT e PTB, REPUBLICANOS, REDE, PL, PODEMOS, PMN E PDT.

    SIMBOLISMO: O Partido dos Trabalhadores – PT faz 40 anos na próxima segunda-feira (10) e na semana de comemorações da legenda, Márcia Conrado, deverá assinar a ficha de filiação. O ato deverá acontecer na próxima quarta-feira (13).

    AGENDA: Depois autorizar mais de R$ 1,2 milhão em obras hídricas e de infraestrutura, em um ato muito prestigiado na sede do governo municipal; o prefeito de Flores, Marconi Santana, segue para Brasília no início da próxima semana. O gestor da cidade com a maior cifra de investimentos em recursos próprios do Pajéu, leva na bagagem, pleitos para implemento de novos investimentos e ações na pasta de saúde e educação.

  • Duque: Eu torço que ele [Carlos] seja candidato, sob judice, como Geni foi

     

    O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque do Partido dos Trabalhadores – PT, em uma recente declaração deixou claro não se intimidar com um possível enfretamento, entre o ex-prefeito Carlos Evandro e sua auxiliar da pasta de saúde, Márcia Conrado, no pleito eleitoral municipal no ano em curso. Mas, ao mesmo tempo em que declarou estar do lado dos que torcem pela candidatura do seu principal adversário político, Duque ironizou:   

    “Eu torço que ele [Carlos] seja candidato, sob judice como Geni foi. Sou grato [a Carlos Evandro], porém eu não vou deixar de reconhecer os nossos méritos e não estou lavando roupa suja”, declarou Duque lembrando dos votos zerados de Geni.

    Acrescentando, a necessidade “de restaurar a verdade”, o líder político do bloco governista, quando provocado a comentar o motivo do rompimento político com ex-prefeito foi enfático.

    “Ele se afastou e simplesmente rompeu e não fiz nada que rompesse minha relação com eles [Carlos e Socorro], revelou Luciano.

     

  • Deputado protocola pedido de impeachment de governador e vice-governadora da Paraíba

    Um pedido de impeachment do governador da Paraíba João Azevêdo (Cidadania) e da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) foi protocolado pelo deputado estadual Wallber Virgolino (Patriotas) na Assembleia Legislativa da Paraíba na manhã desta quarta-feira (5), dia em que a casa legislativa retornou aos trabalhos em 2020.

    No documento, o parlamentar afirma que o impedimento do governador e da vice-governadora se justifica pelos crimes desvelados dentro do processo da Operação Calvário, que resultou na prisão de ex-secretários da gestão de João Azevêdo e também do ex-governador Ricardo Coutinho.

    O governador João Azevêdo explicou que encara o registro do pedido de impeachment com naturalidade de qualquer processo democrático. "Eu entendo perfeitamente esse tipo de posição, aliás, nós estamos em um ano de eleição. Evidentemente que muitas vezes se tentar usar determinadas coisas muito mais como palanque do que como realidade. Encaro com completa naturalidade e isso está agora a cargo da Assembleia", comentou.

    O pedido indica que o impeachment é cabível “pela prática dos crimes de não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais; e proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”. No documento constam assinaturas de 11 deputados estaduais da Paraíba.

  • Bolsonaro desafia governadores e diz que corta impostos sobre combustíveis se estados zerarem ICMS

    O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (5) que vai zerar os tributos federais sobre combustíveis se os governadores aceitarem zerar o ICMS (imposto estadual). Ele disse que está lançando um "desafio" aos governadores.

    "Eu zero federal, se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito", afirmou Bolsonaro a jornalistas na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada.
    Nos últimos meses, Bolsonaro vem defendendo uma alteração na cobrança do ICMS sobre combustíveis. De acordo com o presidente, o imposto é o responsável pelos altos preços cobrados na bomba ao consumidor. Os tributos federais que incidem sobre combustíveis são a CID e o PIS/Cofins.

    Na opinião de Bolsonaro, o ICMS devia ser cobrado nas refinarias, e não no ato da venda no posto de combustível, como ocorre atualmente. O presidente argumenta que, pelo sistema atual, os postos aumentam o preço final para compensar o gasto com o imposto.

    "Problema que estou tendo é com combustível. Pelo menos a população já começou a ver de quem é a responsabilidade. Não estou brigando com governador, o que eu quero é que o ICMS seja cobrado do combustível lá na refinaria, e não na bomba. Eu baixei três vezes o combustível nos últimos dias e na bomba não baixou nada", disse Bolsonaro.

    As ideias de Bolsonaro sobre mudanças no ICMS de combustíveis têm encontrado resistência por parte de governos estaduais, já que causariam impacto sobre a arrecadação dos estados, efeito indesejado principalmente neste momento de dificuldades fiscais por que passam várias unidades da federação.

    O governador de São Paulo, João Doria, comentou as declarações de Bolsonaro sobre zerar o ICMS. Doria falou com a imprensa após passar pelo Congresso Nacional. Para o governador, o tema não pode ser tratado de forma "irresponsável".

    "Os estados estão tratando esse assunto com seriedade e responsabilidade, responsabilidade fiscal e obviamente institucional. Não parece o caminho do presidente Jair Bolsonaro. Isso não pode ser tratado nem de forma irresponsável nem de forma açodada. É preciso entendimento, convidar os governadores para o diálogo, para uma reunião construtiva", disse Doria.
     

  • Internet: A corrida pré-eleitoral em Serra Talhada já começou

     

    Carlos e Evandro e Márcia Conrado - Imagem: Reprodução Internet 

    A corrida eleitoral em Serra Talhada já começou de forma não oficial. Os pré-candidatos mais bem colocados nas pesquisas já estão lançando seus slogans através das redes sociais.

    Enquanto a pré-candidata do Governo Duque, Márcia Conrado, se utiliza de fotos espalhadas pelas diversas redes promovendo seu "M" de mãos expostas junto aos seus apoiadores, o ex-prefeito Carlos Evandro também se utilizou do mesmo expediente e, agora, através de uma nova conta no Instagram jogou seu bloco na Internet com o slogan "Do povo, da gente, do coração!"

    Dr. Carlos também, aparece em um vídeo na rede citada acima dizendo: "Estamos abrindo esse canal no instagram para nos comunicarmos melhor e para que vocês meus amigos e amigas deem palpites, afinal, o que todos nós queremos é o bem de Serra Talhada".

    Apoiadores de Evandro já se mobilizam em grupos de WhatsApp divulgando a conta e publicando a frase "fez, faz, vai fazer muito mais"!

  • Danilo Cabral protocola pedido de convocação do ministro da Educação

    No primeiro dia de atividades da Câmara Federal após o recesso, o deputado federal Danilo Cabral (PSB-PE) apresentou um pedido de convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ao Plenário da Casa.
    Após os erros e falhas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o parlamentar afirma que o gestor precisa prestar explicações à sociedade sobre os erros na nota do Enem e aos problemas apresentados pelo Sisu. Ele também pede informações sobre as providências adotadas pela pasta.
    “Ao longo de toda a existência do Enem, essa é a primeira vez que a prova é colocada em xeque. O erro na confecção das provas é muito grave, mas é ainda mais grave o fato de o governo não adotar providências que assegurem a lisura do processo”, destaca Danilo Cabral, membro da Comissão de Educação da Câmara.
    O deputado acrescenta que os atuais problemas ocorreram depois de o ministro dizer que foi o melhor Enem de todos os tempos. “Então, ele foi confrontado com um erro que atingiu seis mil estudantes e na ânsia de dar uma resposta rápida, o ministro pode ter feito uma ‘lambança’ com a prova”, critica Danilo Cabral. Ele é autor de uma representação no Conselho de Ética da Presidência da República, pedindo sua exoneração.
    “O governo Bolsonaro tem uma postura inconsequente e irresponsável com a educação brasileira. Por diversas oportunidades, o ministro demonstrou sua falta de qualificação para o cargo”, diz o deputado. Ele reafirma que é urgente a demissão de Weintraub do MEC.
    Danilo Cabral lembra que o Enem de 2019 foi o menor em número de inscritos desde 2010. Em 2014, o ápice do exame, foram 8,7 milhões de inscritos. No ano passado, foram 4,6 milhões. “Vale ressaltar que, desde a criação do exame, já foram registrados falhas, mas nada de tamanha gravidade”, ressalta.
    Problemas 
    A partir de relatos dos candidatos nas redes sociais, após a divulgação do resultado do Enem, o governo identificou um erro na correção da prova, que afetou seis mil candidatos.  O caso foi parar na justiça, que chegou a suspender a liberação dos aprovados no Sisu. Além de pedir explicações sobre o erro nas notas, o deputado questiona a decisão do MEC de não recalculá-las.
    O Inep, responsável pela aplicação do Enem, adota uma metodologia (teoria de resposta ao item – TRI), que define os índices de mínimo e máximo desempenho a partir da menor e da maior nota, obtidas pela totalidade dos participantes do exame. Dessa forma, ao não recalcular os parâmetros nos itens usados na prova, o governo pode afetar o resultado dos estudantes, especialmente nos cursos mais concorridos.

    O pedido de convocação do ministro foi protocolado nesta manhã (03), sob o número 01/2020. 

  • Victor descarta projeto de Carlos; defende renovação e diz que candidatura sob júdice não é positiva

    Victor Oliveira. Imagem reproruzida na internet

    Como não poderia ser diferente, no campo da política, a semana foi bastante movimentada nos estúdios das emissoras de rádio de Serra Talhada.

    Passaram pelos os microfones da Vila Bela, Márcia Conrado do bloco governista e Carlos Evandro do time oposicionista. Duque, o prefeito, também fez uso dos microfones da emissora. Já Victor Oliveira, fez jus a discurso que vem pregando – fez o caminho diferente e encerrou o ciclo de entrevistas participando do Sertão Notícias, ancorado pelo radialista Anderson Tennens.

    Victor deu início a entrevista pregando “renovação e mudança”, o que segundo o pré-candidato a prefeito, “é o que as pessoas dizem nas ruas”.

    Após este momento, o neto de Inocêncio Oliveira apontou a metralhadora em direção ao ex-prefeito Carlos Evandro, quando foi provocado ao colocar um ponto final sobre aceitar ou não dividir a chapa majoritária com Evandro.

    “Eu não teria problema de ser vide de alguém que eu concorde com o projeto dele, com a forma de trabalhar e com a forma de fazer política. Existem divergências, diferenças de pensamento e maneiras de agir e não tivemos oportunidade de conversar para ver onde haveria similaridades entre nós. Dificilmente eu toparia formar uma chapa com alguém que de fato eu não perceba que de fato não tenha identificação”, disse Victor continuando:

    “Eu definitivamente vou apresentar um projeto meu. Projeto de um grupo que eu vou arregimentar, reunir em torno dessa renovação política. Eu não estou aqui para ser vice, ou me submeter as ordens e definições de pessoas que já tiveram sua chance de dar sua contribuição, que na visão do tribunal, estas condições, não tenham sido tão positivas assim, se não teria contas rejeitas pelo Tribunal de Contas”, cravou desqualificando o nome de Carlos para gerir Serra Talhada.

    Quando questionado se acreditaria no registro da candidatura do ex-prefeito, que tem sido questionada e apregoada como impossível por rejeição de contas, junto ao Tribunal de Contas de Pernambuco, Victor inflamou:

    “Eu não sou advogado, mas com quem eu converso dizem que não! Ele [Carlos] tem as contas rejeitadas. Candidatura sob judice é por que a pessoa já foi condenada e está recorrendo para se candidatar e pode ser que termine a eleição e os votos sejam anulados. Eu acho sinceramente uma coisa complicada, arriscada e que não positivo para a reputação de uma cidade”, sustentou.

  • Duque: Carlos teve um modelo de governo que não cabe mais em Serra Talhada

    Imagem: Marina Ferraz

    Luciano Duque Prefeito de Serra Talhada falou hoje, sobre a posse dos novos concursados e alíquota da previdência própria, após a reforma da previdência municipal. Duque esteve acompanhado de Márcio e Márcia durante entrevista aos comunicadores Maya e Giovani – pela rádio Vila Bela FM.

    Na visão do gestor da Capital do Xaxado houve “uma verdadeira revolução; mais de 1300 servidores, declarou Luciano ao comemorar o ingresso de novos servidores”.

    Ao justificar a real necessidade de readequar/ajustar a Previdência Municipal, que tem como regra seguir a tabela progressiva da União com alíquota de no mínimo 14% ; Duque fez um relato de como o Fundo de Previdência Próprio entrou em falência.

    "Criaram uma Previdência de pré-falência, e, em Serra Talhada é bem pior. Carlos e Geni deixaram sem nenhum centavo [a previdência]. Carlos nem depositou do servidor e nem do patronal. Assumi com caixa zero e tive que fazer aporte. Eu aprendi com meu pai que não se deve empurrar o problema para frente. Eu poderia sentar com Márcio - meu vice - e decidir não fazer a reforma, mas eu não estou pensando nas próximas eleições e sim nas próximas gerações”, disse Duque.

    RECADO A CARLOS

    Sem esconder o sentimento de inquietação pelas últimas declarações do ex-prefeito que ainda mantém o mesmo discurso que deixou tudo pronto e assinado, apenas para Luciano executar; Luciano lançou os seguintes questionamentos:

    “Porque ele [Carlos] não fez em 8 anos o que ele disse que deixou? Porque ele não fez tudo isso no governo dele?  Tudo que eu consegui foi no governo federal”.

    Duque frisou que não mistura gestão com política: “Quando vou tratar com Paulo Câmara eu vou pra pedir para o povo e bato na porta de qualquer um. Não faço gestão misturando com Política”, disse.

    Quando provocado a responder de forma mais direta ao possível adversário de Márcia Conrado, que ameaçou acionar o Tribunal de Contas de Contas de Pernambuco - TCE, para realizar auditoria na administração municipal e afirmar que fornecedores e servidores estão sem receber pagamentos e salários, Luciano respondeu: “Auditoria é feita todo ano pelo o tribunal” e continuou:

    "Tenho humildade de dizer que eleições ganha nas urnas e ele [Carlos] precisar provar na justiça que pode ser candidato...ganha eleição com trabalho. Eu tive dois anos de trabalho para pagar esse débito de quase R$ 15 milhões, mais de R$ 3 milhões de folha. Ele está provocando e eu agradeço por ele ter me ajudado a ser prefeito", reconheceu e continuou:

    “Carlos teve um modelo de governo que não cabe mais em Serra Talhada. Ele vai debater comigo e Márcia...Já começou o jogo".

  • PSB: Ficha de filiação de Sebastião Dias deverá ser assinada na próxima visita de Câmara

    Petebista histórico e de forte ligação com o Senador Armando Monteiro, o Prefeito poeta de Tabira, Sebastião Dias está fazendo a passagem para o palanque do Governador Paulo Câmara. Assim o PSB, considerado a noiva mais cobiçada da política de Tabira parece ter encontrado o melhor pretendente.

    Sebastião Dias foi recebido na noite da última segunda-feira (27.01), pelo Governado Paulo Câmara, no Palácio do Campo das Princesas. Ele esteve acompanhado do deputado federal, Carlos Veras (PT) e de seu filho, Alan Dias.

    A notícia cai como uma bomba na política de Tabira e altera o xadrez da sucessão municipal. O ex-prefeito Dinca Brandino (MDB) declarou à Rádio Cidade ter recebido do Governador Paulo Câmara em 2018 a promessa de que ganharia o controle da legenda socialista.

    Outras lideranças também vinham contatando a direção estadual para ter o partido, como José Amaral, Rosalvo Sampaio e Genedy Brito.

    No encontro de ontem o Prefeito tabirense apresentou alguns pleitos ao governador, como: recuperação da PE-304 que liga Tabira à Agua Branca, na Paraíba; construção do novo Terminal Rodoviário de Tabira; liberação do Fundo Estadual de Desenvolvimento dos Municípios – FEM 2014 e 2015; início da segunda obra do Curral do Gado; liberação de recursos da Farmácia Básica; lançamento da Pedra Fundamental para construção do Campus da UPE e apoio para realização do Carnaval 2020.

    O Governador se comprometeu em ajudar o prefeito Sebastião Dias com recursos para Saúde, liberando recursos da Farmácia Básica para abertura das salas de Cirurgias do Hospital Municipal Dr. Luiz José da Silva Neto em fevereiro.

    A ficha de filiação do prefeito Sebastião Dias deverá ser assinada na próxima visita de Paulo Câmara a região. Além do gestor o pré-candidato a prefeito Flavio Marques e todo grupo ingressará na sigla. Pela ligação que tem com Sebastião Dias e o bloco governista, o atual Presidente do PSB Tabirense Pipi da Verdura e pré-candidato a vereador, tem chances de permanecer no cargo.

    Por Anchieta Santos

  • Márcia diz está pronta para debater com Carlos e completa: E também para governar Serra Talhada

    Apontada por Duque para sucessão em Serra Talhada, Márcia Conrado esteve nesta terça-feira (28), ao lado de Cleonice Maria, Presidenta do PT em Serra Talhada, lançando a data de seu ingresso oficial no Partido dos Trabalhadores – PT.

    “A filiação irá acontecer no dia (13) de fevereiro aqui em Serra Talhada, no aniversário de 40 anos do partido”, anunciou.

    Questionada por Giovani Sá e Francis Maya sobre sua ida para o Partido dos Trabalhadores, Conrado explicou: “O que pesou para minha ida para o PT  foram os avanços. O PT transformou a realidade de muita gente... foi o caminho acertado”, defendeu. 

    Em seguida a Secretaria de Saúde foi instigada a responder provocações de Carlos Evandro -  ex-prefeito com atuação médica na cidade, e, seu possível adversário no pleito municipal - que anteriormente desclassificou o ingresso de Márcia na legenda - ainda comandada nacionalmente pelo ex-presidente Lula.

    “Qual é a ideologia de Márcia Conrado no PT? Qual é a história dela dentro do partido, dentro de sindicatos? O que está acontecendo é que o partido está acomodando ela e o atual governo. Agora, dizer que ela é uma Petista raiz?", indagou o pré - candidato em tom de ironia.

     “Quem tem que dizer se tenho ou não perfil é a população e o grupo, estou preparada para o debate e também para governar Serra Talhada”; rebateu a auxiliar de Duque nada pasta da saúde.

    Ainda falando sobre a filiação, Cleonice Maria, acrescentou em defesa da mais nova petista:

    “Vamos ter pela primeira vez uma prefeita. Márcia Conrado tem dado respostas positivas, fomos nós que a convidarmos para vir para o PT”, afirmou.

    Já em direção a ala mais conservadora, contrária a sua pré-candidatura e que tem sustentando um discurso de desqualificar a sua atuação como gestora da saúde; Conrado defendeu os avanços da saúde no governo Duque e frisou: “Falar sem saber como funciona o SUS e sem usar é fácil. Só nos interessa ouvir a população... muitas vezes as pessoas que criticam não utilizam o SUS”, devolveu.  

  • João Campos: Não será nenhuma novidade se o PT optar por uma candidatura própria

    Após o ex-presidente Lula conceder entrevista ao UOL na qual defendeu a candidatura da deputada federal Marília Arraes (PT) à Prefeitura do Recife, considerando um eventual apoio ao deputado federal João Campos (PSB), na Capital, apenas no 2º turno, o socialista e herdeiro de Eduardo Campos, à coluna, em primeira mão, externa posição sobre o assunto: “Não será nenhuma novidade se o PT optar por uma candidatura própria a prefeito do Recife. Tem sido assim em todas as eleições municipais desde a redemocratização, inclusive em 2012 e 2016”.

    João prossegue: “Neste momento difícil da política brasileira, em que direitos e conquistas sociais estão sendo ameaçados, nós do PSB achamos importante construir a unidade das forças progressistas, em defesa da democracia e da justiça social. Mas respeitamos o PT, caso decida deixar a Frente Popular e correr em faixa própria”.

    O PT, hoje, ocupa espaços nas gestões Geraldo Julio e Paulo Câmara. “Vamos seguir buscando o caminho do diálogo e da construção coletiva de propostas para o Recife, Pernambuco e Brasil”, arremata João Campos.

  • Lula: O PT não pode abrir mão de ter uma candidatura própria em Recife

    Em entrevista exclusiva ao UOL, o ex-presidente Lula, confirmou que o PT vai ter candidato em Recife nas eleições deste ano. Na próxima terça-feira (28), haverá uma reunião com membros do PT de Pernambuco.

    Resposta do qual foi perguntado como é que o PT vai se comportar em Fortaleza, João Pessoa e Recife?

    “O PT já apoiou o governador Eduardo Campos duas vezes. O PT apoiou o atual governador duas vezes. O PT já apoiou o prefeito deles duas vezes. Agora, vai ter uma eleição. Nós temos a Marília Arraes, que é uma figura pública importante no Estado, deputada federal. Tem o João Campos, que é o filho de Eduardo Campos, que também quer ser candidato.

    O PT não pode abrir mão de ter uma candidatura própria em Recife Quando chegar em 2022, o PSB vai pedir outra ver para o PT não ter candidato a governador depois de quatro de quatro mandatos? Será que o PT não pode ter a oportunidade de ter candidatura própria?

    O PT vai ter candidatura própria, a Marília deve ser candidata do PT. Se ela não for para o segundo turno, ela apoia o João Campos ou outro candidato que fizer aliança com o PT. Isso vale para Fortaleza, João Pessoa, Natal, Salvador. O que você não pode é trancar o partido. Em Salvador, acho que o partido que tem seis pessoas querendo ser candidatos, inclusive, o nosso querido Juca [Ferreira], que foi meu ministro da Cultura”, disse Lula

     

  • Carlos diz que Márcia não tem identidade petista e que ajudou Duque ingressar no PT

    O ex prefeito de Serra Talhada e também um dos pré candidatos da oposição à prefeitura do município, concedeu neste sábado (25), uma entrevista para a versão radiofônica do Farol de Notícias, onde falou sobre sua candidatura e sobre a candidata do Prefeito. Carlos Evandro ainda falou sobre a postura de Luciano Duque e seu passado político como ex aliado dele.

    Evandro declarou que a chegada de Márcia Conrado, a escolhida do governo, no PT de Lula "não deverá influenciar muito na decisão dos serra-talhadenses. Aqui em Serra Talhada, o voto é uma coisa muito pessoal. A política daqui é muito diferente da nacional e da estadual.

    Não vejo novidade e nem agregações políticas com ela no PT. O que é que ela está somando?", perguntou Carlos afirmando que o grupo de petistas que agora está com Márcia, é o mesmo que estava com Duque e que, não existe nada haver ligar a imagem da mesma com a do ex presidente Lula.

    Dr. Carlos seguiu provocando a candidata e o prefeito Luciano Duque perguntando: “Qual é a ideologia de Márcia Conrado no PT? Qual é a história dela dentro do partido, dentro de sindicatos? O que está acontecendo é que o partido está acomodando ela e o atual governo. Agora, dizer que ela é uma Petista raiz?", indagou o pré candidato em tom de ironia.

    Nessa entrevista, Carlos Evandro fez questão de frisar que foi ele quem colocou o atual prefeito no PT, e ressaltou que se não tivesse feito isso Luciano Duque teria sofrido uma cooptação, dizendo:

    "A gente foi falar com Inocêncio, em 2012, e eles queriam que ele fosse para o PHS, para ele levar uma rasteira de Eduardo Campos. Mas eu não deixei! Fui falar com Humberto Costa e articulei tudo", disparou Carlos como que, sentindo um certo ressentimento e ingratidão do atual gestor de Serra Talhada.